terça-feira, 18 de agosto de 2009

30. Sexo é bom para cacete ou para vagina.



Hoje eu quero falar de sexo. Será um MIX de um psicólogo depravado para alguns, sensual para outros, cafajeste para algumas. Não interessa, hoje vou expor o que eu acho, como eu sinto e como eu vejo, pois como já dizia meu sócio Larry Flint dono da revista Hustler, opinião é igual a cu, cada um tem a sua. Maroni já diz: “Pornográfico é tudo aquilo que eu não faço, quando começo a fazer se torna erótico ou sensual.” E como dizem as mocinhas que posam nuas: “Ah, ficou tão sensual, nada vulgar. Ficou estético, bonito, artístico.” Mas ela esquece que o depravadão está lá, jogado no chão do banheiro com a foto da moça numa grande punheta. E eu já tive vários contatos com mulheres que posaram nuas em minhas revistas e quase todas elas que fizeram fotos em “nu artístico” me disseram que ficavam extremamente excitadas de saber que alguém se masturbava pensando nas fotos. Curioso, como é o ser humano diante deste buraquinho ou diante dos buraquinhos, vagina, anus, orelha, boca e também nariz. Não, não falei que se penetra nas narinas ou nos ouvidos. Não, o que eu quis dizer é que o som que entra pelos ouvidos pode se tornar extremamente excitante e ao praticar sexo oral, tanto em nível de vagina ou de pênis, o odor que exala destes fluidos quando estamos excitados, excitamos quem sente o odor. O outro sentido é o paladar, o outro é o tato. No caso do paladar, aquela transa numa praia deserta, aquela bundinha arrebitada, o fio dental “entoxado” e a língua caminhando entre as montanhas, entendem-se montanhas por nádegas, subindo pela coluna vertebral, mordendo a nuca ao levantarmos os cabelos da mulher e soltamos o sutiã por traz. Enquanto soltamos o sutiã, sentimos no paladar o gostinho salgado do suor, e ela se vira com a boca pedindo um beijo. E ai vem o paladar das salivas trocadas e a língua do macho, sim macho nesta hora porque nesta hora não é nem menino, nem rapaz, nem homem, é um macho trocando prazeres com a fêmea. Fêmea no sentido de ser a maior criação da natureza, pois desse ato entre os dois, se não houver a interferência dos anticoncepcionais poderiam estar fazendo um novo ser. Mas voltando para aquelas línguas entrelaçadas, o sabor da saliva demonstrando que um já esta aceitando o outro e a língua dele tece até a altura do busto em uma frenética dança, oscila entre um mamilo e outro. Não importa o volume, o tamanho, aí tem até um pouco de simbologia materna aonde nos homens procuramos no ato sexual a saudável recordação das primeiras amamentações nesse busto que freneticamente beijamos e sutilmente sugamos. E ela ali num emaranhado de areia e canga ao sentir a língua do homem que ela selecionou para nos próximos momentos lhe jogar o sêmen quente entre as pernas, ela sentir a língua ao redor dos seus pelos pubianos abre suas coxas, estica uma das pernas e já começa a emitir sussurros de prazer. A língua entre movimentos beija os lábios vaginais no mesmo frenético prazer que beijou os lábios da boca. E ai ele percebe exalar dos lábio vaginais uma substancia relativamente pegajosa que eu defino como o mel do prazer que engenhosamente a natureza o produz no momento em que a mulher se entrega para o homem que ela aprovou na seleção entre dezenas de outros. E nesse momento ele já percebe a mão da parceira a segurar o seu pênis duro que pulsa quase no ritmo do seu coração. O calor dos corpos aumenta, os fluidos são trocados, pode estar existindo o amor ou somente o prazer, não importa. Não importa se é um macho ou uma fêmea, uma lésbica ou um gay, o que importa é que é um casal que esta ali por opção exercendo o seu livre arbítrio após ter selecionado o parceiro e a parceira que se entregam ao prazer. Ela já com o gemido na boca, abre mais suas pernas e ele lhe crava um beijo mais ardente, quase lhe morde os lábios. Os seus dedos passeiam entre a vagina e com leves toques tira o fluido da vagina e estica até o anus e com muito carinho, mas com a firmeza do macho enfia em seu anus a primeira falange de seus dedos. E ela entre um gemido de um pouco de dor e de prazer, relaxa a musculatura possibilitando esta penetração oscilante entre os dois orifícios provocando mais prazer, mais entrega. Nos ouvidos escutam-se juras eternas, gemidos de prazer, penetrações de língua, os pelos do corpo se arrepiam e ele abre as pernas dela mais que em condições normais e lhe crava o seu cacete. Os movimentos aumentam o prazer e ai um leve lado selvagem começa a acontecer e ele a vira de quatro e ela com o rosto na areia, já nem se sabe mais aonde foi parar a canga e ele segura aquele quadril bronzeado ou negro, obviamente de uma negra, ou branquinho de quem não vê o sol há muito tempo, mas no primeiro o bronzeado com aquela marca sensual, quanto menorzinha a marquinha do fio dental mais excitante fica. E depois de vários movimentos de quatro ela quer sentir o pênis na boca e ele a segura pelos cabelos, em movimentos sente o calor da boca da deliciosa fêmea que lhe chupa freneticamente. E por cima ele observa o quadril desta mulher com o anus exposto. Ele a vira, a coloca frente a frente e enfia o seu cacete com movimentos rítmicos e crescentes e os seus ouvidos ou seus outros quatro sentidos aguçados tentam perceber qualquer estimulo que indique o inicio do orgasmo da fêmea. E este tenta se segurar para assim em uma troca de prazer ter orgasmos juntos. Às vezes acontece às vezes não, é normal, mas o que importa é o prazer da excitação, da troca do desejo. Se ele gozou, o seu sêmen quente corre pela entranhas da fêmea. Que magnífico, este macho jogou de 40 a 50 milhões de espermas e estes tem no mínimo 200 mil anos da genética humana. E ali corre o amor e o ódio, o selvagem e o gênio, o equilibrado e o agressivo e milhões de outras características. E um óvulo, um único óvulo será rompido por um único espermatozóide, poderia ate acontecer gêmeos e ai que começa a vida. Fruto de amor, de tesão, de desejo, de prazer. Ai que coisa linda senhores. Acabamos de gozar. Ele com a respiração ofegante cai para o lado, retira o seu pênis, ela pede um abraço, pois ai ela sente a necessidade da proteção do macho. Fizeram sexo, fizeram amor, trocaram orgasmos. Aconteceu o prazer. Para alguns a depravação, não importa, fizeram uma pessoa, um novo ser com toda carga genética e dependendo do tipo do parto, do tipo da alimentação, da quantidade da alimentação, dos exemplos e modelos que vieram receber, do carinho, do respeito poderá vir a ser um novo ser, só torço para que ele seja totalmente livre, pois assim será feliz.
Paus, cacete, falos, bucetas, vaginas, xoxotas, anus, cus, sêmen ou porra, sacos, testículos, glandes, cabeça do pau, clitóris, grelos, lábios, tetas, peitos, bustos. Não importa o nome, são acessórios que quando não tem preconceitos funcionam dando prazer aos seus donos para reproduzir ou não, o que importa é que geram vidas, seres humanos. Falei para vocês, descrevi o que há de mais antigo na humanidade, uma foda, uma trepada, uma relação sexual, um coito. Não importa o nome, o que importa é que o que da prazer, pode trazer felicidade, equilíbrio emocional, psicológico, levantar a auto estima, sentir prazer em ser gente. Isso é o que importa.
Fui vulgar, romântico, exótico. Artístico, não importa, o que importa é o prazer, é a troca, é o dar prazer e receber prazer. Amigos, tudo começou em uma caverna e agora esta ate no teclado e nos monitores do computador. Chama-se sexo, é bom para cacete ou para vagina. Façam bastante, fodam-se mutuamente, não importa a forma, importa sim estar fazendo por opção. Importa sim, a entrega, o se dar e receber. O certo nessa área não existe, removam de dentro de vocês todos os preconceitos, as regras pré-estabelecidas. Nunca deixe com que os complexos de culpa instalados por seres não resolvidos o prejudiquem nesta caminhada em que algumas vezes, ou melhor, em poucas vezes é feita para reproduzir. Se dê ao prazer. Inventem, criem. O saudável, o sadio e o equilibrado e ate o ato solitário é valido, só não é valido achar que esta fazendo algo errado.

Boa Noite senhores, por que agora vou estar com minha Maíra em uma intimidade plena gozando, trepando, fodendo, não importa o nome, o que importa é nos vamos estar nos amando.


Obs: Gradativamente, o falar de sexo vai ficando cada vez mais picante. Teremos apresentações de fotos, vídeos e os textos mais sacanas ou ate mais românticos ou mais não sei o que. O que importa é que de prazer. Não esqueçamos que eu e vocês temos toda uma vida pela frente neste teclado e monitor para trocarmos putaria, fantasias, sacanagens, amores, historias. Não importa, o que importa é o tesão, com amor ou sem amor.

4 comentários:

Carlinha disse...

Nossa adorei o texto, um beijo Maroni...
ps. tem fotos???

Anônimo disse...

ah ah ah... Engraçado vc é, isso não tem dúvida, ninguém pode negar. Manda ver aí, pau na 'tchavasca'!!!
Paul Naccholla

Erly Junior disse...

Amigão virtual, nos seus textos (maravilhosos) sempre fica bem claro o prazer da ejaculação na parceira ou o ato do macho marcar sua fêmea. Existe algo de especial neste ato do sêmem masculino penetrar a vagina feminina? e como fica o sexo com camisinha? com camisinha o sexo fica incompleto? gostaria de saber sua opinião. um forte abraço e parabéns por mais esta postagem. erlyjr.

Anônimo disse...

Primeiro post que eu leio Maroni, larguei os ideais da mídia/sociedade/religião e agora vou adorar entrar nesse "novo mundo" de vício por sexo e tesão rs. Grande Abraço, Guilherme.

Postar um comentário